Arquivo - Categoria: Renda Variável

Seu fundo de ações tem um alto Active Share?

Recentemente, o debate sobre a vantagem do investimento em fundos ativos tem crescido. O debate é mais intenso internacionalmente onde há ampla variedade de alternativas para se investir passivamente. A dúvida ocorre, pois vários estudos demonstram a dificuldade de fundos ativos obterem desempenho melhor que seus índices de referência. Devido às particularidades do Brasil, o(…)

O que fazer com a queda da taxa Selic?

O Comitê de Política Monetária (COPOM) reduziu ontem a taxa básica de juros Selic para seu mínimo histórico de 7% ao ano. Entretanto, ainda não estamos com os juros reais (juros acima da inflação) na mínima histórica. Portanto, novas quedas ainda são possíveis. Nesse sentido, descrevo abaixo algumas dicas sobre o que fazer com seus(…)

Cinco dicas para montar seu portfólio de Fundos de Investimentos Imobiliários

Com a queda da taxa de juros, as aplicações tradicionais que rendem próximas do CDI começam a perder atratividade e incentiva os investidores a buscarem alternativas. Uma forma de obter maiores retornos com ganhos de dividendos mensais isentos de IR, mas correndo menos risco que o mercado de ações são os fundos de investimentos imobiliários(…)

Qual o valor justo para o Bitcoin?

Depois de uma alta de mais de 49% no mês passado e de 571% em 2017 até o final de outubro, o Bitcoin sobe mais 17% apenas nos primeiros quatro dias de novembro e continua surpreendendo a todos. Essa forte valorização tem impulsionado especialistas a realizar previsões sobre seu valor no futuro. Entretanto, a capacidade(…)

Mês do Halloween assusta investidores

Os dados históricos comprovam que o mês de outubro costuma apresentar os piores retornos do ano para os ativos de risco. Em 2017 não foi diferente. Os melhores investimentos nos três meses encerrados em setembro foram os piores do mês de outubro. O ruído político provocado pela votação das denúncias contra o presidente e seus(…)

Ele ainda engatinha no Brasil, mas já movimenta trilhões de dólares no exterior

Os Certificados de Operações Estruturadas (COE) são equivalentes às famosas Structure Notes (Notas Estruturadas) vendidas em todo o mundo. Segundo o Collaborative Market Data Network ocorreram mais de US$3,5 trilhões em emissões desses produtos em 2016 em todo o mundo. No Brasil, apesar de ter sido criado em 2010, somente no segundo semestre de 2013(…)